fbpx
Gônadas

Passo a passo para manejo dos sintomas vasomotores da menopausa

menopausa
Escrito por Ícaro Sampaio

A transição da menopausa é dividida em 2 períodos: precoce e tardia. A transição da menopausa precoce começa quando a duração do ciclo menstrual se torna variável (diferença de 7 dias na duração de menstruações consecutivas). O período tardio, por sua vez, caracteriza-se por amenorreia por 60 dias ou mais. Os sintomas mais especificamente associados à transição da menopausa são sintomas vasomotores (ondas de calor, suores noturnos ou ambos) e sintomas geniturinários (dispareunia, secura vaginal e infecção urinária de repetição). Mais que 50% das mulheres apresentam sintomas vasomotores frequentes (quando ocorrem pelo menos seis vezes por dia nas últimas duas semanas).

A principal indicação para a terapia hormonal da menopausa oral ou transdérmica é aliviar os sintomas vasomotores moderados a graves. A determinação da gravidade dos sintomas vasomotores é baseada na avaliação de cada paciente de seus sintomas, se eles são incômodos, e o quanto interferem nas atividades diárias. Neste mês de fevereiro foi publicado um artigo de revisão no JAMA que buscou resumir as evidências mais atuais sobre o tratamento dos sintomas da menopausa, com foco nos sintomas vasomotores e genitourinários. A seguir, apresentamos um passo a passo para abordagem de dos sintomas vasomotores apresentado na publicação:

1. Avaliação dos sintomas vasomotores da menopausa (ondas de calor, suores noturnos ou ambos)

  • Moderados a graves: incômodos, interferindo na qualidade de vida.
  • Leves: não interferem na qualidade de vida ( sem indicação de terapia hormonal)

2. Nas pacientes com sintomas vasomotores moderados a graves, investigar presença de contraindicações:

  • Histórico de câncer de mama
  • Doença hepática
  • Histórico de AVC ou infarto do miocárdio
  • Neoplasia dependente de estrogênio conhecida ou suspeita
  • História de trombose venosa profunda ou embolia pulmonar
  • Distúrbios trombofílicos (por exemplo, proteína C, proteína S ou deficiência de antitrombina)

3. Avaliar o perfil da paciente:

  • As melhores candidatas para iniciar THM são mulheres com menos de 60 anos de idade, com até 10 anos após o início da menopausa e que não apresentam riscos elevados de doença cardiovascular ou câncer de mama.

4. Nas pacientes elegíveis, sem contraindicações, escolher o regime ideal:

  • Apenas estrogênio (se histerectomia anterior)
  • Estrogênio mais progestágeno ou bazedoxifeno (se com útero in situ)
  • Considerações para o uso de terapia hormonal transdérmica:
    • Pode ter menos efeitos adversos sobre os fatores de coagulação (e possivelmente tromboembolismo venoso) do que a oral;
    • Pode ser mais seguro para mulheres com fatores de risco para doença cardiovascular (efeitos em eventos cardiovasculares e desfechos de câncer de mama não foram determinados em RCTs)

5. Para as pacientes não elegíveis para THM ou que não desejam, há opções off-label (exceto paroxetina), mas apoiadas por dados de ensaios clínicos:

  • 37,5 mg/dia de venlafaxina de liberação prolongada por 1 semana, depois aumentar para 75 mg/dia;
  • 100 mg/dia de desvenlafaxina;
  • 10 mg/dia de escitalopram (pode aumentar para 20 mg/dia);
  • 7,5 mg de paroxetina todas as noites na hora de dormir;
  • 10 mg/dia de citalopram (pode aumentar até 30 mg/dia);
  • 900 mg/dia de gabapentina à noite ou em doses divididas;
  • 75 mg de pregabalina oral duas vezes/dia (pode aumentar para 150 mg duas vezes/dia;
  • 0,1-1 mg/dia de clonidina oral

 

 

Referência: Crandall CJ, Mehta JM, Manson JE. Management of Menopausal Symptoms: A Review. JAMA.2023;329(5):405–420.



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: