fbpx
Manchetes

Primeiro dia do Congresso da ADA 2023: quais foram os destaques?

Escrito por Ícaro Sampaio

Hoje teve início o Congresso da Associação Americana de Diabetes 2023 (83rd Scientific Sessions), na cidade de San Diego. Este ano, os maiores destaques do evento são estudos clínicos abordando o tratamento da obesidade em pacientes com e sem diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Reunimos abaixo os highlights do primeiro dia de congresso:

  • Estudo com novo agonista duplo do receptor do glucagon/GLP1 no tratamento da obesidade: A molécula, ainda conhecida apenas como BI 456906, é agonista do receptor do GLP-1 e do glucagon e o seu efeito sobre a obesidade foi estudado em recente estudo de fase 2. Foram incluídos 387 participantes, de 18 a 75 anos, com sobrepeso ou obesidade (IMC ≥27), mas sem DM tipo2.Após as 46 semanas, o novo agonista alcançou até 14,9% de perda de peso (com a dose máxima usada de 4,8mg).A perda de peso > 15% foi atingida por 54,7% dos participantes em uso da dose de 4,8mg versus 5,6% no grupo placebo.

  • Novo agonista de receptor de GLP-1 oral diário para obesidade: foi apresentado e publicado simultaneamente no NEJM um estudo duplo-cego randomizado de fase 2, incluindo adultos com obesidade ou sobrepeso que foram designados para receber orforglipron em uma das quatro doses (12, 24, 36 ou 45 mg) ou placebo uma vez ao dia por 36 semanas. Na semana 36, a variação média variou de -9,4% a -14,7% com orforglipron e foi de -2,3% com placebo. Uma redução de peso de pelo menos 10% na semana 36 ocorreu em 46 a 75% dos participantes que receberam orforglipron, em comparação com 9% que receberam placebo.

  • Combinação cagrinlitida + semaglutida: a combinação semaglutida 2,4 mg e cagrilintida 2,4 mg (análogo de amilina) traz benefícios para a perda de peso, mas o impacto na HbA1c era desconhecido. Foi apresentado o primeiro estudo a avaliar a eficácia e segurança de CagriSema (coadministrado) versus sema ou cagri isolados em participantes com DM2. Neste estudo fase 2, aqueles que receberam CagriSema tiveram reduções significativamente maiores em HbA1c (vs cagri) e peso corporal (vs sema e cagri) na semana 32. A proporção de pacientes que atingiram HbA1c <7,0% e ≤6,5% foi de 89% e 75% para CagriSema, 69% e 48% para sema e 33% e 17% para cagri na semana 32. CagriSema melhorou o controle glicêmico e levou a perda significativa de peso em comparação com sema ou cagri, e foi bem tolerado.

  • Estudo SURMOUNT 2: Foram apresentados os impressionantes resultados do estudo  SURMOUNT-2 que randomizou 938 pessoas nos EUA, Argentina, Brasil, Índia, Japão, Porto Rico, Rússia e Taiwan para receber 10 mg e 15 mg de tirzepatida ou placebo. Os participantes pesavam, em média, 100,7 kg, e a média de hemoglobina glicada (HbA1C) basal era de 8,0%. A Tirzepatida levou a perda de 14,7% do peso corporal, se tornando a droga com maior redução ponderal nessa população.A Tirzepatida ainda levou a redução de 2,1% na HbA1c, com >80% dos pacientes atingindo a meta de HbA1c < 7%.

     



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: