fbpx
Manchetes

Novas nomenclaturas para doença hepática gordurosa

Escrito por Ícaro Sampaio

No mês de junho foi um publicado um consenso realizado pela Associação Americana para o Estudo da Doença do Fígado (AASLD) , Associação Europeia para o Estudo do Fígado (EASL) em colaboração com a Associação Latino-americana para o Estudo do Fígado (ALEH), com o envolvimento de profissionais acadêmicos de todo o mundo, incluindo hepatologistas, gastroenterologistas, pediatras, endocrinologistas, patologistas e especialistas em saúde pública e obesidade, juntamente com colegas da indústria, agências reguladoras e organizações de defesa de pacientes para desenvolver uma mudança na nomenclatura e nos critérios diagnósticos para a donça hepática gordurosa.

Confira as novas recomendações:
  • Na presença de esteatose hepática, o achado de algum fator de risco cardiometabólico conferiria o diagnóstico de doença hepática esteatótica associada à disfunção metabólica (MASLD) , se não houver outras causas de esteatose hepática. Se forem identificados fatores adicionais de esteatose, isso é consistente com uma etiologia combinada.
  • Uma nova categoria, fora do MASLD puro, denominada MetALD  foi selecionada para descrever aqueles com MASLD que consomem maiores quantidades de álcool por semana (140 g/semana e 210 g/semana para mulheres e homens, respectivamente).
  • Na ausência de critérios cardiometabólicos evidentes, outras etiologias devem ser excluídas e, se nenhuma for identificada, isso é denominado esteatose criptogênica, embora dependendo do julgamento clínico também possa ser considerado possível MASLD e, portanto, se beneficiaria de reavaliação periódica.
  • O termo esteatohepatite associada à disfunção metabólica (MASH) foi escolhido como  substituto para NASH.
Referência:

A multi-society Delphi consensus statement on new fatty liver disease nomenclature



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: