fbpx
Tireoide

Inibidores do checkpoint imune e disfunção tireoidiana: novo estudo

Escrito por Ícaro Sampaio
   Os inibidores do checkpoint imune (ICIs) são fármacos que apresentam benefícios clínicos impressionantes no tratamento de malignidades avançadas. Eles funcionam bloqueando moléculas imunossupressoras e reativando a função das células T efetoras, que podem então atingir e matar especificamente as células tumorais. Atualmente, existem 3 categorias principais de ICIs em uso clínico: anticorpos monoclonais direcionados à proteína 4 associada a linfócitos T citotóxicos (CTLA-4), receptor de morte programada 1 (PD-1) e ligante de morte programada-1 (PD-L1 ) .
   Embora os ICIs tenham o potencial de modular a resposta imune e tratar tumores malignos, eles também podem superativar as células do sistema imunológico, levando a danos autoimunes no corpo, também conhecidos como eventos adversos relacionados ao sistema imunológico. O sistema endócrino é frequentemente afetado por distúrbios relacionados ao sistema imunológico, como disfunção da tireoide, hipofisite, disfunção das paratireoides, insuficiência adrenal primária e diabetes mellitus. Múltiplos estudos demonstraram que a disfunção tireoidiana é distúrbio imunológico endócrino comum, ocorrendo frequentemente dentro de semanas a meses após o início da administração do medicamento.
   No mês de maio, foi publicado no JCEM um estudo retrospectivo que incluiu pacientes com câncer tratados com ICIs entre janeiro de 2019 e dezembro de 2021. Todos os indivíduos foram submetidos a testes de função tireoidiana antes de iniciar a imunoterapia e a função tireoidiana foi reavaliada a cada 2 a 3 semanas durante o tratamento. De acordo com a ocorrência de disfunção tireoidiana, os pacientes foram divididos em grupo com doença tireoidiana imune (DIT) e grupo sem DIT.
   Um total de 560 pacientes preencheram os critérios de inclusão e 284 desenvolveram DIT, com incidência de 50,7%. Os tipos de tumores primários incluídos foram predominantemente carcinoma de pulmão de células não pequenas (n = 212), câncer gástrico (n = 62), carcinoma hepatocelular (n = 53) e carcinoma de pequenas células do pulmão (n = 44). Os ICIs incluídos foram dominados por sintilimabe (n = 166), tislelizumabe (n = 93) e camrelizumabe (n = 175).
   Entre os pacientes com DIT, 62 (21,8%) apresentavam hipotireoidismo clínico, 117 (41,2%) apresentavam hipotireoidismo subclínico, 87 (30,6%) apresentavam tireotoxicose clínica e 18 (6,4%) apresentavam tireotoxicose subclínica. O tempo médio para o desenvolvimento de disfunção tireoidiana após o início do tratamento com ICI foi de 73 dias. No geral, os casos de disfunção tireoidiana foram leves.  O fator mais forte associado ao desenvolvimento de disfunção tireoidiana de etiologia imunológica foi ter anormalidades basais de anticorpos anti-tireoglobulina (odds ratio [OR], 67,393; P = 0,001). A maior incidência de efeitos adversos na tireoide foi associada ao uso do inibidor de PD-1 camrelizumabe (58,3%).
   À medida que mais pacientes têm acesso ao tratamento oncológico com inibidores do checkpoint imune, é esperado um aumento do número de casos de disfunção tireoidiana relacionadas à terapia imune. Por esse motivo, nós endocrinologistas devemos estar aptos a identificar a manejar corretamente esses casos, no intuito de reduzir a morbidade e proporcionar maior qualidade de vida aos nossos pacientes.


Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: