fbpx
Tireoide

Estudo EGRET: obesidade e mortalidade no hipertireoidismo

Tireoide
Escrito por Ícaro Sampaio

O hipertireoidismo é uma condição comum, cujas manifestações incluem perda de peso, intolerância ao calor, tremores, palpitações e ansiedade. O tratamento é fundamental para minimizar complicações, incluindo fibrilação atrial e acidente vascular cerebral que contribuem para o aumento observado de 20% na mortalidade.

Existem três opções de tratamento para o hipertireoidismo: medicamentos antitireoidianos (DAT), iodo radioativo ou cirurgia, seja como tireoidectomia total ou lobectomia. As DAT estão associadas a uma alta taxa de recaída (30%–70%), enquanto o tratamento com radioiodo ou tireoidectomia leva ao desenvolvimento de hipotireoidismo, exigindo reposição de levotiroxina por toda a vida, que é observada em 80% dos pacientes que receberam radioiodo e até 100 % submetidos a tireoidectomia. Não há evidências suficientes para recomendar um tratamento sobre os outros, embora alguns estudos indiquem diferenças em eventos cardíacos e mortalidade entre as modalidades de tratamento.

Durante o ENDO 2023, foram discutidos os resultados do  EGRET, um estudo retrospectivo, longitudinal e observacional, que teve como objetivo geral investigar os riscos de ganho de peso, desenvolvimento de condições cardiometabólicas ou morte após o tratamento para hipertireoidismo e comparar esses riscos entre as três modalidades de tratamento.

A população do estudo foi de 55.318 pacientes (77% mulheres) com hipertireoidismo recém-diagnosticado identificado a partir de um banco de dados de registros eletrônicos de saúde de atendimento primário baseado na população do Reino Unido. Destes, 77,8% foram tratados com medicação antitireoidiana, 14,6% com iodo radioativo e 7,8% com cirurgia.

Em comparação com a população de base, a tireoidectomia foi associada a uma maior probabilidade de desenvolver obesidade (IMC > 30 kg/m2) em homens (odds ratio [OR], 1,56; p < 0,001) e mulheres (OR, 1,27; p < 0,001), enquanto o radioiodo aumentou o risco de obesidade em mulheres (OR, 1,12; p < 0,001), mas não em homens (OR, 1,03; p = 0,55).

Em um acompanhamento médio de 12,1 anos, a proporção de pacientes que faleceram foi de 14,1% no grupo medicamentoso, 18,7% dos que receberam radioiodoterapia e 9,2% dos operados. Comparado com o número que seria esperado que morresse com base na população geral, a probabilidade de redução da expectativa de vida para os grupos tratados aumentou 2,10 vezes para radioiodo, 2,13 vezes para cirurgia e 2,71 vezes para medicação. Todos foram significativamente mais elevados do que a população em geral (p <0,0001). Após ajuste adicional para vários fatores de confusão, o risco de mortalidade foi reduzido em pacientes tratados com radioiodo (em 13%) ou cirurgia (em 20%), em comparação com aqueles tratados com medicação antitireoidiana, ambas reduções significativas (P < 0,0001).

Apesar de tratar-se de um estudo observacional, os novos dados devem ser levados em consideração na escolha da melhor opção terapêutica para nossos pacientes hipertireoideos.



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: