fbpx
Diabetes

É seguro prescrever iSGLT2 em pacientes com DAOP submetidos a revascularização?

dm
Escrito por Ícaro Sampaio

Pacientes com DM2 e doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) apresentam maior risco de eventos cardiovasculares e amputação de membros inferiores. Nos últimos anos, os inibidores do cotransportador de sódio-glicose-2 (SGLT2i) foram submetidos a vários ensaios para investigar seus desfechos cardiovasculares. Esses estudos demonstraram que os iSGLTi são benéficos para reduzir os riscos de insuficiência cardíaca e outros eventos cardiovasculares adversos importantes. No entanto, a canagliflozina foi relatada como associada a uma taxa mais alta de amputações em comparação com o placebo no estudo Canagliflozin Cardiovascular Assessment Study (CANVAS). Esses achados levantaram preocupações sobre a segurança geral do iSGLT2 para pacientes com DM2 e DAOP concomitante, que estão inerentemente em maior risco de amputação de membros.

Um novo estudo de coorte retrospectivo, avaliou um total de 2.455 e 8.695 pacientes com DM2 que foram submetidos à revascularização da DAOP e receberam as primeiras prescrições de inibidores de SGLT2 e inibidores da dipeptidil peptidase-4 (iDPP4), respectivamente, entre maio de 2016 e dezembro de 2019. Os desfechos do estudo foram os seguintes: 1) desfechos cardiovasculares (AVC isquêmico, infarto agudo do miocárdio,  hospitalização por insuficiência cardíaca ou morte cardíaca), 2) desfechos de membros (procedimentos de revascularização repetidos, como terapia endovascular ou cirurgia de revascularização ou amputação de membro inferior) e 3) desfechos renais compostos (diálise, transplante renal, morte por causa renal ou hospitalização por eventos renais).

O grupo inibidor de SGLT2 teve uma incidência significativamente menor de morte cardíaca em comparação com o grupo inibidor de DPP-4 (1,23 vs 2,12 por 100 pessoas-ano; taxa de risco 0,60; p = 0,0126). No entanto, houve taxas comparáveis de incidência ​​de acidente vascular cerebral isquêmico (1,87 vs 1,81 por 100 pessoas-ano; P = 0,8146), infarto agudo do miocárdio (1,50 vs 1,67 por 100 pessoas-ano; P = 0,5946), e hospitalização por insuficiência cardíaca (2,76 vs 2,14 por 100 pessoas-ano; P = 0,1014).

Os dois grupos apresentaram riscos cumulativos comparáveis ​​de revascularização repetida (5,63 vs 6,67 por 100 pessoas-ano; P = 0,1602) e amputação de membros inferiores (1,25 vs 1,60 por 100 pessoas-ano; P = 0,3358). Como esperado, o grupo inibidor de SGLT2 teve um risco cumulativo menor de desfechos renais compostos em comparação com o grupo inibidor de DPP-4 (1,08 vs 2,84 por 100 pessoas-ano; P < 0,0001).

Observamos então que , em pacientes com DM2 submetidos à revascularização da DAOP, o iSGLT2 foi associado a menores riscos de morte cardíaca e desfechos renais compostos ( resultados já esperados), mas não foi associado a maiores riscos de eventos adversos nos membros em comparação com o iDPP4.

 

Hsin-Fu Lee, Chi Chuang, Pei-Ru Li et al. Adverse cardiovascular, limb, and renal outcomes in patients with diabetes after peripheral artery disease revascularization treated with sodium glucose cotransporter 2 inhibitors versus dipeptidyl peptidase-4 inhibitors Cover title: SGLT2i versus DPP4i in T2D patients after PAD revascularization, 19 October 2022, PREPRINT (Version 1) available at Research Square [https://doi.org/10.21203/rs.3.rs-2159012/v1]



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: