fbpx
Diabetes

É hora de encarar a COVID-19 como fator de risco para diabetes mellitus?

covid
Escrito por Ícaro Sampaio

Um número crescente de evidências sugere que, além da fase aguda da doença (primeiros 30 dias), as pessoas com COVID-19 podem apresentar sequelas pós-agudas, que envolvem manifestações pulmonares e extrapulmonares, incluindo diabetes mellitus (DM). Novos dados de estudos recentes sobre o tema nos fazem refletir se já não é hora de encarar a infecção pelo SARS-Cov-2 como fator de risco para DM.

Um estudo publicado no final de março na revista Lancet Diabetes & Endocrinology, analisou dados de mais de 180.000 pacientes do Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA. Os autores do estudo compararam pacientes que testaram positivo para COVID-19 e sobreviveram à doença por mais de um mês com mais de 4 milhões de outras pessoas que não contraíram COVID no mesmo período (controles contemporâneos). Esses dados também foram comparados com outros 4,28 milhões de pacientes que foram atendidos em 2018 e 2019 (controles históricos). O grupo COVID-19 foi subdividido naqueles que não foram hospitalizados (n=162 096), hospitalizados (n=15 078) ou admitidos em uma unidade de terapia intensiva durante a fase aguda da doença (n= 4106).

Na fase pós-aguda da doença, em comparação com o grupo controle contemporâneo, as pessoas com COVID-19 exibiram um risco aumentado (HR 1,40, IC 95% 1,36–1,44) de incidência de diabetes mellitus. O risco foi significativo entre aqueles que não foram hospitalizados e aumentou de forma gradual de acordo com o cenário de cuidados da fase aguda da doença (ou seja, se as pessoas não foram hospitalizadas, hospitalizadas ou internadas em terapia intensiva).

É importante observar que mesmo os participantes com baixo risco de diabetes antes da exposição ao COVID-19 apresentaram risco aumentado em comparação com controles contemporâneos e históricos. Outro dado que merece destaque é que a maioria dos casos incidentes foram DM tipo 2.

Se levarmos com consideração o número gigantesco de casos de COVID-19 em todo o mundo, tal aumento no risco de diabetes pode corresponder a um aumento drástico no número de pessoas diagnosticadas com a doença, caso as tendências observadas sejam verdadeiras. É claro que ainda são necessários novos estudos para entender com maior clareza o impacto da COVID-19 sobre o risco de DM, mas é possível que em breve tenhamos que elaborar diretrizes para rastreamento de hiperglicemia nessa população.



Banner

Banner

Banner

Banner

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: